Como encontrar um tema para a tese

Um dos momentos mais difíceis no estudo das políticas públicas é a escolha do tema e da pergunta de partida para a tese. No entanto, muitos alunos só se apercebem disto pouco antes do prazo de inscrição. Nessa altura já pode ser tarde demais para encontrar um tópico interessante, relevante e viável.

Porquê? Porque uma boa questão de partida deve corresponder a uma série de critérios. Segundo Halperin and Heath (2012: 126), uma questão de pesquisa deve ser (1) relevante para um campo de investigação dentro das políticas públicas, (2) “pesquisável”, e (3) ainda sem uma “resposta definitiva”. King, Keohane e Verba (1994: 15) acrescentam que “(u)m projecto de pesquisa deve colocar uma questão que é ‘importante’ no mundo real.” Finalmente, Andrews (2003: 2) lembra o mais óbvio: uma pergunta de pesquisa deve ser formulada de modo que seja possível dar uma resposta (“A research question must be answerable.”).

Para que a pergunta de pesquisa responda a esses critérios, é preciso ler, ler e ler. Só quem tem algum conhecimento dos actuais debates teóricos e empíricos na sua área da análise das políticas públicas pode avaliar a relevância duma determinada questão para esta disciplina. Consequentemente, antes de formular a pergunta de partida, é preciso rever a literatura académica sobre o tema de interesse. O conhecimento daquilo que já foi estudado ajuda-nos a saber se uma pergunta de pesquisa é relevante para a disciplina, se é “pesquisável”, e se vai ser possível dar uma resposta fundamentada dentro do âmbito limitado dum trabalho final de curso. Esta leitura indispensável não pode ser deixada para o último momento. Sempre que possível deve começar logo no início dos estudos.

Mas a leitura por si só não chega. É preciso pensar como um cientista político. Em vez de simplesmente memorizar o que se leu, é preciso refletir sobre aquilo que ainda não se sabe. O verdadeiro objectivo de uma revisão bibliográfica é identificar as lacunas mais relevantes no nosso conhecimento científico. É saber o que merece ser estudado no futuro mais próximo. Por isso, a leitura da bibliografia deve ser acompanhada por uma constante reflexão sobre a melhor forma de traduzir as lacunas do nosso conhecimento em perguntas de pesquisa interessantes que correspondam aos critérios acima mencionados.

Para facilitar essa reflexão, é preciso familiarizar-se com a estrutura da pesquisa científica. King, Keohane e Verba (1994: 7-8), o principal objetivo da pesquisa científica (e aquilo que distingue a observação científica de outras formas de observação) é a inferência, isto é, “o processo de usar os factos que conhecemos para aprender sobre factos que não conhecemos” (King et al 1994: 46). “Os factos que não conhecemos são os sujeitos das nossas perguntas, teorias e hipóteses de pesquisa. Os factos que conhecemos formam os nossos dados (quantitativos ou qualitativos) ou observações” que serão utilizados para averiguar se as nossas teorias e hipóteses são correctas.

“Inference is the process of using the facts we know to learn about facts we do not know. The facts we do not know are the subjects of our research questions, theories, and hypotheses. The facts we do know form our (quantitative or qualitative) data or observations.”

Assim, uma pergunta de pesquisa nas políticas públicas normalmente contém alguns dos seguintes elementos: (1) uma observação relacionada com políticas públicas que necessita de explicação (um “puzzle”), 2) uma teoria ou um conceito explicativo da disciplina das políticas públicas que pode ajudar a resolver o puzzle, (3) a identificação de um actor (coletivo ou individual) que tem um papel importante na política em questão, (4) uma delimitação geográfica ou temporal do objeto de análise e (5) a identificação dum estudo de caso para testar a teoria explicativa e as hipóteses subjacentes.

E porque tudo isso é muito teórico e abstrato, desenvolvi um gerador de títulos para teses de Mestrado ou de Doutoramento que integra de forma aleatória os principais elementos de uma questão científica: observações que necessitam de explicação, abordagens teóricas para a explicação, atores principais, uma limitação temporal ou geográfica e um estudo de caso concreto que permite testar o poder explicativo da teoria.

É claro que os tópicos aqui gerados não são tópicos para teses reais. Mas eles ilustram a estrutura de uma questão de pesquisa científica na área da ciência política e das políticas públicas. Embora o gerador produza mais que 15 milhões de tópicos aleatórios, muitas vezes até bastante absurdos, ele ajuda a perceber a estrutura das questões científicas. Experimentem!

 

Political Science Thesis Generator

Bibliografia

Andrews, Richard (2003): Research Questions. London: Continuum.

Halperin, Sandra; Heath, Oliver (2012): Political Research: Methods and Practical Skills. Oxford: Oxford University Press.

King, Gary; Keohane, Robert O.; Verba, Sidney (1994): Designing Social Inquiry: Scientific Inference in Qualitative Research. Princeton: Princeton University Press.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s